Home Notícias Reino Unido começará a testar carros que não precisam de motorista em 2015

Reino Unido começará a testar carros que não precisam de motorista em 2015

Comentários desativados em Reino Unido começará a testar carros que não precisam de motorista em 2015

 

 
\"\"/O Reino Unido espera ter os primeiros testes com veículos autônomos a partir de janeiro de 2015. O Departamento de Negócios, Inovação e Habilidades e o Departamento para o Transporte anunciaram, nessa quarta-feira (30), £ 10 milhões, o equivalente a quase R$ 40 milhões, para uma competição que vai selecionar três cidades para sediar as experiências. O objetivo é que as administrações locais se unam a empresas e organizações de pesquisa para apresentar propostas. Cada projeto deve durar de 18 a 36 meses.  
 
De acordo com o Departamento para o Transporte do Reino Unido, embora os carros autônomos não eliminem a necessidade de investimentos nas rodovias, poderão revolucionar a forma como as viagens ocorrem. Ao comentar a medida, a subsecretária do Departamento, Claire Perry, disse que “carros sem motoristas têm um enorme potencial para transformar a rede de transportes do Reino Unido, melhorar a segurança, reduzir os congestionamentos e também as emissões de poluentes”. Para viabilizar os experimentos nos ambientes urbanos reais, normas regulamentares estão seno revistas. 
 
Uma das metas do incentivo é manter o Reino Unido na vanguarda do desenvolvimento dessa tecnologia. Ao longo dos últimos dez anos, cientistas britânicos, especialmente da Universidade de Oxford, têm trabalhado em modelos de carros que dispensam a necessidade de motorista. Os projetos utilizam sensores instalados nos próprios veículos para viabilizar a navegação.
 
Documento divulgado no ano passado pelo Departamento para o Transporte com o planejamento de ações para as rodovias britânicas (versão em inglês disponível aqui) destaca a preocupação em aplicar as novas tecnologias em estratégias que melhorem a gestão de informações sobre o trânsito e tornem o fluxo mais seguro, menos congestionado e que cause menos impactos ambientais.
 
A agência responsável pela administração das autoestradas na Inglaterra, por exemplo, está desenvolvendo novas tecnologias para permitir o gerenciamento de informações diretamente com os veículos, por meio da tecnologia móvel, utilizando, por exemplo, smartphones e dispositivos de navegação por satélite.  
 
A ideia é que o serviço em tempo real, além de beneficiar os passageiros, ajude também os órgãos de fiscalização e os serviços de emergência a prestar atendimentos mais rapidamente, além de facilitar investigações sobre as ocorrências. “Em apenas alguns minutos, um scanner a laser pode capturar informações vitais no local do acidente, como a posição dos veículos na estrada. Isso reduz muito o processo de perícia na coleta de provas na cena. Com isso, a estrada pode ser reaberta mais rapidamente, evitando os congestionamentos. Os números mais recentes mostram que o uso de scanners a laser economiza, em média, 40 minutos em uma investigação”, destaca o documento.  
 
 
Foto: Highway Agency
Fonte: Agência CNT de Notícias
Com informações: Department for Business, Innovation & Skills 
                            Department for Transport 
                            University of Oxford
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Reino Unido começará a testar carros que não precisam de motorista em 2015

Comentários desativados em Reino Unido começará a testar carros que não precisam de motorista em 2015

 

 
\"\"/O Reino Unido espera ter os primeiros testes com veículos autônomos a partir de janeiro de 2015. O Departamento de Negócios, Inovação e Habilidades e o Departamento para o Transporte anunciaram, nessa quarta-feira (30), £ 10 milhões, o equivalente a quase R$ 40 milhões, para uma competição que vai selecionar três cidades para sediar as experiências. O objetivo é que as administrações locais se unam a empresas e organizações de pesquisa para apresentar propostas. Cada projeto deve durar de 18 a 36 meses.  
 
De acordo com o Departamento para o Transporte do Reino Unido, embora os carros autônomos não eliminem a necessidade de investimentos nas rodovias, poderão revolucionar a forma como as viagens ocorrem. Ao comentar a medida, a subsecretária do Departamento, Claire Perry, disse que “carros sem motoristas têm um enorme potencial para transformar a rede de transportes do Reino Unido, melhorar a segurança, reduzir os congestionamentos e também as emissões de poluentes”. Para viabilizar os experimentos nos ambientes urbanos reais, normas regulamentares estão seno revistas. 
 
Uma das metas do incentivo é manter o Reino Unido na vanguarda do desenvolvimento dessa tecnologia. Ao longo dos últimos dez anos, cientistas britânicos, especialmente da Universidade de Oxford, têm trabalhado em modelos de carros que dispensam a necessidade de motorista. Os projetos utilizam sensores instalados nos próprios veículos para viabilizar a navegação.
 
Documento divulgado no ano passado pelo Departamento para o Transporte com o planejamento de ações para as rodovias britânicas (versão em inglês disponível aqui) destaca a preocupação em aplicar as novas tecnologias em estratégias que melhorem a gestão de informações sobre o trânsito e tornem o fluxo mais seguro, menos congestionado e que cause menos impactos ambientais.
 
A agência responsável pela administração das autoestradas na Inglaterra, por exemplo, está desenvolvendo novas tecnologias para permitir o gerenciamento de informações diretamente com os veículos, por meio da tecnologia móvel, utilizando, por exemplo, smartphones e dispositivos de navegação por satélite.  
 
A ideia é que o serviço em tempo real, além de beneficiar os passageiros, ajude também os órgãos de fiscalização e os serviços de emergência a prestar atendimentos mais rapidamente, além de facilitar investigações sobre as ocorrências. “Em apenas alguns minutos, um scanner a laser pode capturar informações vitais no local do acidente, como a posição dos veículos na estrada. Isso reduz muito o processo de perícia na coleta de provas na cena. Com isso, a estrada pode ser reaberta mais rapidamente, evitando os congestionamentos. Os números mais recentes mostram que o uso de scanners a laser economiza, em média, 40 minutos em uma investigação”, destaca o documento.  
 
 
Foto: Highway Agency
Fonte: Agência CNT de Notícias
Com informações: Department for Business, Innovation & Skills 
                            Department for Transport 
                            University of Oxford
Artigos Relacionados
Leia mais em Notícias
Comentários estão fechados

Veja também

Fiat anuncia patrocínio ao espetáculo Bazzar, do Cirque du Soleil

Fastback, principal lançamento da marca do ano, será o carro oficial da nova temporada de …